Carta de Princípios

Carta de Princípios – Tattoo Circus SP

  •  Anticapitalismo: Não estamos de acordo com as relações de exploração e exclusão do sistema capitalista e não queremos reproduzí-las dentro do evento. Pelo contrário: queremos construir um espaço de encontros e trocas baseadas não no dinheiro e no poder, mas em igualdade, apoio mútuo  e solidariedade. LOJAS, EMPRESAS, GRUPOS OU INDIVÍDUOS COM PROPÓSITOS ESTRITAMENTE LUCRATIVOS NÃO ESTÃO CONVIDADOS. Se você quer participar/visitar apenas para consumir ou vender, repense sua vi(n)da.
  •  Autogestão e Responsabilidade Comunitária: Acha bacana estar num evento com entrada e atividades gratuitas? Isso só é possível graças ao empenho e boa vontade de todxs xs participantes – desde organizadorxs, artistas, palestrantes, etc até visitantes. Em outras palavras, queremos dizer que tarefas como manutenção, organização do espaço, limpeza, segurança, cuidado com as crianças e fazer corres para solucionar problemas que surgem na última hora, também são suas. Ah, e lembre-se: não há chefes. Nunca é demais lembrar que tudo é função de todas, todos, todes. A divisão sexual e de gênero do trabalho, com mulheres (cis/trans/lésbicas) exclusivamente na cozinha, limpeza, etc, é uma lógica que precisa ser destruída, e pretendemos destruir também por aqui.
  •  Contra o racismo, machismo, lesbofobia, transfobia, homofobia: Vamos contribuir para um ambiente mais seguro para grupos minoritários? A presença de agressores machistas e a reprodução de comportamentos ou discursos misóginos, racistas, homolesbotransfóbicos não serão tolerados. NÃO PASSARÃO!!! Materiais impressos, bandas, cartazes, etc. que apresentem qualquer um desses discursos não serão bem-vindos.
  •  Apartidarismo: não temos vínculos com qualquer organização partidária e não estamos abertxs para isso.
  •  Antiespecismo: Propomos um evento com atividades que não envolvam exploração animal. Isso inclui a alimentação vendida no evento, que será estritamente VEGANA.
  •  Sem Skinheads: Se tratando historicamente de uma cultura de ódio, e sendo que o meio libertário já teve suficientes conflitos para saber o quão prejudiciais são os vínculos com pessoas de tais grupos, mesmo aqueles ditos “de esquerda”, optamos por não abrir as portas para QUALQUER espécie de skinhead. Mais informações sobre este assunto podem ser lidas aqui.

Deixe uma resposta